Skip to main content
Reflexos da legislação americana para o equity crowdfunding

Os principais erros da lei para o crowdfunding de startups nos EUA

Infelizmente, a percepção de boa parte dos especialistas é de que o crowdfunding americano não apenas será decepcionante para os empreendedores por causa dos altos custos e exigências legais, mas também porque a nova regra vai estimular uma prejudicial seleção adversa das ofertas — já que a maioria das startups de qualidade que recebem recursos de fundos de venture capital e de investidores experientes não pretendem utilizar essa nova instrução.

(mais…)

Leia Mais

Vale a pena investir em startups

Vale a pena investir em startups?

Investir em startups não era uma possibilidade real para a maioria das pessoas até muito pouco tempo atrás. Dois fatores determinantes, entretanto, mudaram radicalmente esse cenário: em primeiro lugar, a constante redução do custo de criação de uma startup e, em segundo, a facilidade de acesso às melhores oportunidades do mercado.

Conforme já previa, em meados dos anos 1960,  Gordon E. Moore, a capacidade de processamento dos computadores dobra a cada 18 meses — e sem encarecer o produto. Soma-se a isso o fato de as tecnologias em nuvem terem reduzido drasticamente os gastos com hardwares e softwares, permitindo que empreendedores contratem soluções de ponta por algumas poucas dezenas de reais.

Com tantas ferramentas à disposição, jovens que antes se viam obrigados a entrar na vida corporativa, pública ou privada, hoje têm uma terceira opção: criar sua própria empresa. E não estamos aqui falando da abertura de uma consultoria ou da criação de algum produto de nicho: trata-se de empresas com potencial para ser realmente grandes! (mais…)

Leia Mais

waldothumb (1)

Como estimar retornos ao investir em startups

O investidor de startups em geral deve esperar retornos binários em seus investimentos: ou as empresas vão dar certo ou irão falir. Saber quais terão sucesso é obviamente o grande desafio, principalmente porque neste universo os melhores negócios tendem a não parecer promissores de início. Mesmo assim, o volume de capital semente disponível para novos negócios cresceu aproximadamente 100% ao ano de 2013 a 2015 nos EUA. No Brasil o volume de fato investido nas empresas aumentou quase 15% ao ano no mesmo período, segundo pesquisa da Anjos do Brasil.

Mas se por um lado o capital alocado para startups vem aumentando, e a quantidade de empreendedores também, por outro lado o número da empresas que realmente irão gerar retornos significativos não deve alterar. Segundo o respeitado investidor Fred Wilson, todo ano, aproximadamente 30 empresas investidas por fundos de venture capital nos EUA irão proporcionar retornos desejados para seus acionistas. Isso significa que se o investidor não estiver em nenhuma dessas empresas, ele provavelmente irá perder dinheiro.

(mais…)

Leia Mais

checklist

O que devo saber antes de co-investir em startups

Digamos que apenas recentemente você ouviu falar que as startups vão mudar o mundo e, por isso, se interessou em participar desse novo mercado (vale a pena?). Ou pode ser que você já tenha experiência na bolsa de valores e busque uma nova opção para diversificar seu capital. Qualquer que seja o seu motivo, as chances são de que você não terá acesso direto a uma startup, muito menos a uma com reais chances de sucesso – com os fundadores certos, com vantagens competitivas significativas, com o valuation adequado, etc.

Por isso, co-investir com anjos mais experientes é a principal alternativa para 99% dos investidores em startups. Mesmo que você tenha muito dinheiro e condições de assinar cheques de R$50mil – montante mínimo aceito pelas startups de primeira linha – você dificilmente fará parte da lista das primeiras pessoas que esses empreendedores farão contato na hora de levantar capital semente. E não estando entre os primeiros 50 investidores contatados, provavelmente não haverá mais espaço para você investir (as rodadas são em geral de R$300mil a R$800mil) ou você não vai querer participar, pois muita gente com mais traquejo do que você já recusou a oferta – o que é um mau sinal.

Isso significa que assim como é importante fazer a diligência do negócio que se pretende investir, também é fundamental conhecer com quem se está investindo. Por que o líder da rodada está investindo? Qual é o seu histórico de sucesso? Que valor ele, e outros co-investidores já comprometidos, agregam à startup? Abaixo, destaco 5 aspectos importantes de serem analisados antes de co-investir com um anjo.

(mais…)

Leia Mais

pexels-photo-large

Crowdfunding 2.0

Investimento coletivo, crowdfunding, vaquinha virtual; pessoas somando esforços por uma causa comum. Isso acontece pelo menos desde o século XVI, quando o poeta Alexander Pope passou o chapéu para traduzir do grego para o inglês a famosa obra Ilíada, de Homero. De lá para cá a prática foi naturalmente se expandindo com a introdução de novas tecnologias, como quando nos EUA do século XIX o editor Joseph Pulitzer lançou uma campanha em seu jornal para arrecadar os restantes U$100.000 necessários para construir a base da Estátua da Liberdade, recebida de presente dos franceses. Vejam que naquela época o sr. Pulitzer conseguiu atrair impressionantes 160.000 doadores, o que é mais do que o dobro do que conseguiu o relógio Pebble, a mais bem sucedida campanha pela internet até hoje.

(mais…)

Leia Mais